6 verdades poderosas aprendidas em uma temporada no exterior

  • O PODER DA FINITUDE

A sensação de que seu intercâmbio tem data para acabar fará com que você queira aproveitar cada minuto dele, sem poder desperdiçar nenhuma oportunidade de viver algo novo. E na vida as coisas são exatamente assim: a noção de que nada dura para sempre, ou de que final de uma etapa se aproxima, nos dá uma visão mais positiva sobre a situação. É o caso da tristezinha que dá no último dia de emprego (mesmo que você estivesse de saco cheio dele), da dor quando o final de um relacionamento se aproxima ou quando até mesmo alguma doença nos faz lembrar da efemeridade da vida. Vai entender né?

  • DESAPEGO

O exercício já começa com o simples ato de fazer a mala. É durante a seleção do que fará parte da nossa vida e do que abriremos mão pelos próximos meses que se evidencia essa relação de posse, às vezes quase
dependência, que estabelecemos com nossos pertences. Ao morar fora, a gente acaba aprendendo que quanto menos precisamos carregar conosco, mais leve, fácil e livre se torna nossa vida – um exercício que ainda sofro para colocarem prática, é verdade.

  • PERSPECTIVAS POSITIVAS

Isso eu acho que desenvolvi durante o intercâmbio que fiz em Nova York. Táva tudo dando errado, mas minha felicidade por estar conseguindo tocar a vida, aos 19 anos, em uma das maiores cidades do mundo, me encphoto 1hia de orgulho que dei um dane-se pro frio, pra briga com a amiga e pro trabalho longe. Só tinha foco para a cidade incrível onde estava e pras minhas conquistas. Coincidência ou não, esses dias foram embalados por uma música que não saia do meu diskman (esse era o nível tecnológico da época). Ela dizia assim: “I don’t have a cent… will I pay my rent? Even my car doens’t work… Me and man, he is the one to die for… we have split up. Can’t you see, life is easy, if you consider things, from another point of view.” 

  • IMPERMANÊNCIA DAS SITUAÇÕES

Durante o intercâmbio, o emprego ruim é temporário, o roommante chato logo vai embora e aquele apê fedorento em breve ficará só na memória. Conseguir se distanciar um pouco dos problemas ao invés de se deixar envolver na complexidade deles é uma das maneiras mais efetivas de vencê-los. Morar um tempo no exterior pode te ensinar a ver as dificuldades temporárias – do intercâmbio e as que ficaram no Brasil – sob outra perspectiva e aprender a lidar com aquilo que nem sempre pode ser mudado.

  • EGO

Para mim, toda boa e longa viagem de avião vem acompanhada de uma série de reflexões. Ao olhar pela janela, me dou conta do nada que represento diante da grandeza do universo. photo 2Ao olhar para dentro da
aeronave, percebo a riqueza de pessoas, histórias, origens e destinos que compõem a tripulação. Tanto a complexidade do planeta quanto da vida daquelas tantas pessoas a minha volta servem para nos lembrar que, ao contrário do que pode parecer, nós e nossos problemas estamos longe de ser o centro do universo.

  • TRANSITORIEDADE DAS PESSOAS

Sendo tudo na vida passageiro, com as pessoas não é muito diferente. Ok que seria ótimo poder compartilhar o resto da sua vida com aqueles que encontramos pelo caminho, mas nem os que sempre fizeram parte da nossa vida estarão eternamente aqui conosco… Infelizmente as pessoas um dia irão embora, ou você irá. E mesmo com tanto recurso disponível, nem sempre rola de manter contato tão frequente quanto gostaríamos. A boa notícia é que a maioria dos atributos descritos acima (desapego, impermanência, finitude) devem ajudar a lidar com isso. E se for preciso, acredite: elas vão ficar, ou vão voltar. O que sem dúvida jamais te deixará são as boas memórias.

Imagens: Luce Cannon

0 thoughts on “6 verdades poderosas aprendidas em uma temporada no exterior

  1. Eloi Aragão says:

    Adorei o post. É a mais pura verdade, principalmente a parte do ego. Não importa se você tem um emprego TOP e é superconhecido na sua cidade aqui no Brasil. Quando você faz intercâmbio, na 1a semana você percebe que é só mais um na multidão e que o mundo é muito maior do que o mundinho em que gente vivemos aqui. E essa sensação é muito boa diga-se de passagem!

    • Verdade Eloi, chegar em um país novo sem experiência local é quase como voltar à estaca zero. E que bom que o mundo é grandão assim né, às vezes sinto que vai faltar vida prá tantos lugares q queria conhecer :/ Bjo!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *