Facebook: vale a pena ou é pura perda de tempo?

Sempre tive um incrível fascínio sobre poder das redes sociais. E continuo tendo. Mas ultimamente venho me questionando até que ponto elas deixam de ser realmente produtivas e passam a ser um total desperdício de tempo. Será que estamos utilizando essa ferramenta a nosso favor, ou estamos nos perdendo nela?

Vivendo num fuso horário 13 horas a frente do Brasil, não saio da cama sem antes me atualizar acerca de tudo que se passou na pátria-mãe enquanto eu roncava aqui do outro lado do mundo. Afinal, não posso ir ao trabalho sem saber o que rolou no vigésimo #casamentodoano, nem ver a sopa de jiló que minha ex-colega de catequese jantou, muito menos ir dormir sem antes assistir aos vídeos de bom dia da Pugliese. E só prá me inteirar disso tudo se vão, estimo eu, pelo menos uns 30 minutos.

Ainda assim continuo acreditando no poder dessa revolucionária ideia do amigo Zuckerberg. E não perco as esperanças, acima de tudo, na raça humana por trás da plataforma. Afinal de contas é ela, não o visionário Zuckerberg, que produz o conteúdo do facebook. Aliás, espertinho ele não é? Criou a bagaça, encheu os bolsos, nos deixou viciadinhos e com um pepino prá resolver. Na verdade, garanto que nem o próprio Zuckerberg um dia imaginou que sua criação milionária seria um dia assolada por enxurradas de selfies, check ins em academia e fotos de pratos de comida e de looks of the day (espero que a linha do tempo dele tenha tudo isso também).

No meio dessa poluição toda, deposito minhas esperanças por um facebook melhor em artigos esclarecedores, naquela citação que traz uma reflexão importante ou na piada que me faz gargalhar sozinha, feito uma idiota. E há também vidas interessantes, de pessoas que importam prá gente. Pessoas que se reproduzem (óim quanto bebê fofo!), consolidam relacionamentos (olha mais um casamento do ano aí gente!), mostram lugares bacanas prá conhecer (e invejar) e compartilham alguma experiência importante, mesmo que simples (não vale o check in na academia de novoooo). Tem até uns bichinhos fofos (não tô falando daqueles poodles todos iguais) e umas selfies de valor (sem muitos biquinhos por favor).

O problema é que a gente perde o discernimento sobre o que é relevante ou não de ser compartilhado. E é fácil perder a linha tendo um 4G decente, zilhares de filtros que deixam tudo mais cool e uma frase de impacto do Neruda – que na verdade foi escrita pela Zíbia Gasparetto. Se você tiver um abdômen trincado então, imagino eu que a tentação deva ser ainda maior. Não quero nem entrar no mérito nas motivações por trás disso tudo, mas fato é que temos uma poderosa ferramenta em nossas mãos. E nem sempre sabemos utilizá-la.

Fora isso, eu tiro o chapéu para as discussões acaloradas que a rede proporciona. Sejam políticas, sobre os direitos das mulheres, dos homossexuais ou dos cachorros, tá tudo lá, entre opiniões rasas e links para reflexões mais complexas. Movimentos contra governos ditatoriais já foram organizados através do facebook, no Egito. Doações são arrecadadas pelo próprio facebook para ajudar vítimas dos desastres naturais, como aconteceu com o Nepal recentemente. Ataques contra mulheres que ocorrem em tantas partes do mundo chegam até nosso conhecimento. Notícias sobre esquemas de corrupção não precisam mais passar pelo crivo nada imparcial das emissoras de TV.

Na minha vida, as redes sociais têm espaço muito importante. Através delas já achei lugar prá morar, aprendo estilos de vida saudáveis, fico sabendo sobre coisas bacanas que estão acontecendo na cidade. Nelas, você também pode aprender sobre sexo, filosofia , literatura ou origami. E ainda conhecer pessoas que compartilham dos mesmos interesses que você, ou estar em contato com aquele seu ator/escritor/esportista favorito. Não é incrível?

Foi através das redes sociais que tive acesso a histórias inspiradoras de grande impacto na minha vida. Foi através de redes como o facebook que conheci minha melhor amiga aqui na Austrália. E tem gente que arranja até casamento! Aliás, eu não conheci meu noivo pela internet, mas se não fosse o facebook não teríamos nos reencontrado depois de 6 anos, óim!

Aliás, Seu facebook, também sei que você já estremeceu algumas relações por aí. Assim como tem o poder de despertar inveja, envaidecer egos frágeis e mostrar a nós mesmos a vida de merda que levamos. É muita gente feliz com relacionamentos perfeitos no planeta-facebook. São muitos corpos esculturais, peles perfeitas e vestidos incríveis no Instagram (parando de seguir as celebridades em 3, 2, 1…).

Se quiser, você também pode acompanhar em tempo integral tudo que rola no BBB e esmiuçar a vida todinha da atual namorada do seu ex. Pode também deixar de aproveitar um momento incrível por conta do desespero em postá-lo, ao invés de simplesmente vivê-lo, e contar depois, se for preciso.

Está difícil de acompanhar tanta informação. É cada vez mais páginas a curtir, empresas a seguir e pessoas a se conectar. Parece que agora é necessário mais tempo para ver menos. Afinal, o facebook nos ajuda ou atrapalha?

Na verdade, nem um nem o outro; os dois. O facebook é tão mocinho ou tão vilão quanto você quer que ele seja. Nele, você pode gritar as causas nas quais acredita, dividir informações, fazer graça da vida e compartilhar imagens inspiradoras. Também pode atualizar sua linha do tempo a cada 5 minutos em busca de algo que nem sabe o que é.

Temos conosco fácil acesso a uma poderosa arma com a qual ainda estamos aprendendo a lidar. Mas o melhor de tudo é que, assim como o aparelho através do qual você lê esse texto, o controle está inteiramente em suas mãos. Saiba utilizá-lo a seu favor. Quando descobrir como, compartilha aí no face 😉

Foto: Getty Images

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *