trabalho australia dinheiro

Paga bem, que mal tem?

É fácil topar ser garçom na Europa quando o salário é compatível ao que você tinha como assistente sênior de não-sei-o-quê, ou analista pleno de não-sei-o-quê-lá no Brasil. Exercer um subemprego no exterior pode até mesmo ser desafiador o suficiente, especialmente quando nos vemos, muitas vezes pela primeira vez na vida, responsáveis por prover nosso próprio sustento, sem o amparo da rede familiar e dos contatos que ficaram no Brasil. Logo, encaramos “qualquer coisa” enquanto reaprendemos a falar, compreendê-los, interpretar os códigos culturais locais e o mercado de trabalho.

Lembro bem do primeiro intercâmbio que fiz, numa cidadezinha vizinha de Las Vegas. Lá, intercambista bem sucedido era aquele que conseguia chegar ao cargo de garçom. A gente aplicava prá vaga de assistente de garçom (busser), já mirando na promoção. A segunda vaga mais procurada era de vallet park – não pelos salários em si, e sim pelas gorjetas (ah sim, e a chance de dirigir carrões). No fim das contas, todo mundo já saia do Brasil felizaço com o emprego de camareiro(a) – e, acreditem, e a gente se divertia horrores! Continue reading